Category: Opinião


A malta do Beasts of War tem mais um episódio do The Weekender.

Anúncios

CO2 revisto pelo Opinionated Gamers

O CO2 do português Vital Lacerda foi objecto de uma review aprofundada pelo Ben McJunkin do site Opinionated Gamers. Lê toda a review aqui.

Uma das coincidencias da minha vida fez com que apenas um dia separa duas datas significativas para mim. Mais uma vez, este ano, estas duas datas fizeram a ponte entre 28 anos e duas gerações. Esta diferença faz-me olhar para o meu passado e para o futuro da minha prole e partilhar algumas idéias, que para muitos podem evocar algumas lembranças que fazem partem do imaginário comum da minha geração, mesmo que nem todos as tenhamos vivido da mesma forma, e partilhar alguns pensamentos sobre as capacidades que a nova geração, tal como as que a precederam, precisa de aprender e a forma como vou utilizando este hobby para as transmitir. Continuar a ler

O Pai e a Mãe

Charles S. Roberts, Don Greenwood, Tom Shaw, Richard Berg, Bob McNamara, Richard Hamblen, Alan R. Moon, Allan B. Calhammer, Tactics II, Titan, Civilization, The Russian Campaign, Acquire, Diplomacy, We the People, Dune, Circus Maximus, Republic of Rome, Colossal Arena, 1830: The Game of Railroads and Robber Barons, TwixT, Age of Renaissance, Kremlin, B-17: Queen of the Skies, History of the World, Kingmaker, Legends of Robin Hood, Merchant of Venus, Magic Realm, Stellar Conquest, Up Front, Advanced Squad Leader, e a lista não tem fim. E o que une todos estes autores e todos estes jogos é um nome que se tornou uma lenda no mundo dos jogos de tabuleiro para adultos: Continuar a ler

Lord of the Rings: Nazgul reviews em vídeo

Se tens dúvidas em comprares o Lord of the Rings: Nazgul, tens aqui duas reviews para comparares diferentes opiniões.

A primeira é feita pelo Undead Viking para o site 2d6.org:

A segunda pelo Tom Vassel pelo site Dice Tower:

Geekdad abre a caixa do Leviathans

O site Geekdad fez um víeo onde mostra os componentes e da caixa base do Leviathans – Monsters in the Sky, o jogo de steampunk da Catalyst Game Labs:

Tabletop 4

Desta vez sobre o Ticket to Ride

Mugir a vaca não é de agora

Já a Milton Bradley o fazia em 1982!

O site Opinionated Gamers colocou uma preview do 7 Wonders Cities para logo depois a tirar:

 

First Impression – 7 Wonders: Cities

by Mark “Fluff Daddy” Jackson
7 Wonders: Cities
Designer:  Antoine Bauza
Publisher:  Repos Production
Time:  30 minutes (45-60 minutes for the team game)
Ages:  10 and up
# of players:  2-8
Times Played: 3 with a pre-production copy
first impression by Mark Jackson

The real trick for any expansion is to, well, expand the scope of the game in some way that doesn’t mess up the goodness of the original creation. In the case of 7 Wonders, that means you have to add more choices to the game without adding extraneous fiddly rules and/or mechanics – the streamlined nature of the base game is a key part of its popularity.

I’m happy to say that the Cities expansion does exactly that – possibly better than the already published Leaders expansion (which I enjoy as well). 7 Wonders: Cities adds new cards to each age deck to expand the initial hand to 8 cards. These black-faced cards are the dark underbelly of civilization expansion: spies, gambling dens, mercenary forces, cemeteries, black markets & the like. Rather than adding particular cards based on the number of players (as in the base game), these cards are added randomly – shuffle each set of Cities cards and add as many cards are there are players in the game. Most of the new cards cost money – so, for example, you can ramp up your military at a faster pace if you’re willing to risk running short of cash.

Living on the edge financially may or may not be a good idea, though, thanks to one of the new concepts in the game: debt. There are now cards (and wonder steps) which cause the other players in the game to lose money – and if they go into the negative, they are forced to take on debt tokens (similar to military defeat tokens).

The other new game concept is diplomacy. Certain cards (and wonder steps) enable players to receive an embassy – which forces them to bow out of the next combat resolution. Their two neighboring players now attack each other!

Of course, there are two new Wonders in the Cities expansion: Petra (which is money-hungry) and Bzyantium (which is peace-loving). There are also new Leader cards that work with the Cities cards as well as three new Guilds.

Finally, the expansion includes rules for team play. Similar to Ticket to Ride: Asia, partners sit next to each other – but in this version, they share hand information and can plot which cards to send on to their partner. There are some slight changes to combat resolution (affected by the new diplomacy rules) but otherwise the gameplay is not substantially different than the original game.

I played one “normal” four player game with the expansion – and we never saw a diplomacy card. I found the uncertainty added spice to my decisions – until the hands had passed completely around, I wasn’t sure how or if my plans were going to work.

I also played two “team” games – one with 4 players & one with 6 players. The team rules make the game a bit longer (45 minutes to an hour) but there still isn’t a great deal of downtime. The added minutes are spent consulting with your partner and speculating about how best to maximize what you’ve been given.

As I said at the beginning of this “first impression”, I think that this is the best expansion (so far!) for 7 Wonders. Even if you’re not a fan of the 7 Wonders: Leaders expansion, I think there’s a lot to like here.

Opinions on 7 Wonders: Cities from other Opinionated Gamers:

Brian Leet: I’ve only played the Cities expansion one time, but it was with the full complement of seven players. My general sense was that the expansion ramped up the challenge of the game a bit more. While the base game allows you to tool along making progress, and then compare scores, with the cities expansion you sometimes are pushed backward a step. I think I like this, but would definitely recommend it for gamers experienced with the base game first. My rating could move up with more plays.

W. Eric Martin (six plays with a pre-production copy): In general, everything about 7 Wonders: Cities adds more of what you like in the game – more to consider each draft, increasing tension from age to age as you ponder whether you’ll be able to craft your way to long-term success in the history books – while also adding more interaction possibilities thanks to the diplomacy and punishment cards. Boom! You just lost that financial reserve that you were holding onto in order to buy glass from a neighbor for that science card swinging around the table. Zing! You’re now fighting Johnny Catapult on the other side of a peace-loving neighbor who you had hoped to pick on for his lunch money.

Where Cities goes wrong is that it adds more of what you don’t like as well: tons of different cards that you need to go over in detail before play starts, even though many of the cards won’t even be available during play. I’ve played 7 Wonders fifty times now, but the game explanation still seems to take forever because you have to cover so many avenues of growth, each of which differ in small and not-so-small ways. Cities just adds more to this. I taught both the base game and Cities to a new player in one session, and that seemed to last as long as the game itself. Ideally everyone will learn the expansion from the rules or someone else, so you can focus solely on playing the game.

The team rules, while practically doubling the length of the game due to the incredible amount of kibitzing in which some teams will engage (no names here), are wonderful, making the game feel richer while adding almost nothing in the way of rules complexity. You and your teammate will ponder and scheme about which way to go with this hand and that, with what to leave behind for opponents in your wake, and with what awaits you in the next age. Repos Production has been looking for non-traditional team games, and this expansion provides a great taste of team play while still having you do your own thing.

Dragon Valley pelo UndeadViking

WBC

O World Boardgaming Championships (WBC) existe na sua forma atual desde 1999. Durante os oito anos anteriores a isso, foi chamado Avaloncon. Em ambos os casos, WBC é uma convenção de jogo única que muitos consideram a melhor experiência boardgaming no planeta. Alguns dizem que é a Disney World do tabuleiro.

Don Greenwood, presidente da convenção, trabalhou 27 anos na empresa de jogos Avalon Hill como designer, autor e editor. Ele acabou idealizando a primeira conferência anual de jogos de tabuleiro nos Estados Unidos numa época em que era comum ver estes produtos nas prateleiras de lojas nacionais.

Don Greenwood, presidente do WBC

Segundo Don Greenwood: “os tempos mudaram e com o surgimento da era do computador as fortunas das distribuidoras de jogos de tabuleiro diminuíram. Uma a uma, as grandes editoras caíram, revertendo o hobby de jogos de tabuleiro ao estatuto de nicho. Em 1991, após anos de tentativas, eu convenci a Avalon Hill que os seus interesses seriam atendidos através de uma nova espécie de convenção de jogos onde a ênfase não era sobre a venda do produto, mas sim em jogar os jogos. Seminários, leilões, mercados e áreas de vendas seriam substituídos por torneios. E esses torneios seriam cobertos e registrados, com ranking e prémios.”

Patrocinadores

O evento organizado pela Avalon Hill foi chamado de Avaloncon e durou até 1998. Os adeptos da Avaloncon suplicaram para Don Greenwood continuar a conferência de forma independente.

Consequentemente, a WBC nasceu no ano seguinte como a convenção de jogos anual da associação sem fins lucrativos Boardgames Players Association (BPA).

Maiores campeões de 2011

A WBC, diferente de seu antecessor, organizou torneios abertos de qualquer jogo de tabuleiro (jogos de cartas colecionáveis não sendo incluídos nesse evento), independentemente da editora. O foco foi mantido, limitando os torneios em 100 jogos de tabuleiro diferentes.

Os torneios são o forte da WBC. Quase todos os participantes do WBC reconhecem que os seus torneios são muito superiores aos oferecidos em outros lugares.

A outra diferença é que esta convenção de jogos não é propriedade de um indivíduo ou editor. Cada participante é membro, e, como tal, um proprietário de parte dos direitos de voto na forma como ele é executado. Três membros são eleitos anualmente para mandatos de três anos num Conselho de Administração não remunerado que rege a corporação.

Todos os fundos em excesso são reinvestidos na conferência ou reservada para situações de emergência ou de filantropia ao hobby, a critério da direcção.

Os adeptos a esse tipo de conferência de jogos provaram ser imensamente leais. Retornam ano após ano, independentemente da distância.

E a atração está se espalhando para as famílias, como resultado da localização familiar em Lancaster, Pensilvânia, e o bem-sucedido programa “Junior”, que oferece uma programação completa para a próxima geração de jogadores: aqueles que possuem 12 anos. Vários eventos são realizados para iniciantes, como treinos em regras de jogos diversos.

E para aqueles intimidados pela concorrência ou eventos organizados, há um grande espaço para jogos abertos dos títulos que estão nos torneios.

Um fator interessante na WBC é a presença dos cônjuges ou crianças espectadores. A família dos jogadores pode passar o tempo usando as piscinas do resort, campo de golfe, sala de jogos (ping pong ou mesas de bilhar), academia, vôlei, aluguer de bicicletas, local para caminhadas e algumas atrações locais como parques e museus. Tudo isso graças ao local escolhido pela WBC e que possui contrato até 2014 (Resort Lancaster, na Pensilvania).

por Ricardo Stavale do blog Funbox

É sempre bom rever uma das melhores video-reviews de sempre pela mão do Scott Nicholson, de um dos melhores jogos de sempre dos últimos anos:

Introdução ao Zombicide

Roberto di Meglio, editor e supervisor na Ares Games do jogo Wings of Glory concedeu uma entrevista ao site Armchair General, onde fala da nova versão do Wings of War e do que os jogadores podem esperar no futuro próximo deste excelente jogo de combate aéreo.

 

Mais vale fazeres o teu

O jogo Roll Through the Ages é assim como que uma versão em speeds do gigantesco Through the Ages, uma vez que se consegue jogar em 30 minutos e envolve sorte a pontapé, não sem a sua dose q.b. de estratégia. No entanto o jogo é carissimo se tivermos em conta que se está a comprar 4 tábuas de madeira e duas dúzias de pinos de plástico. A somar a isto temos as folhas de registo do jogo de que existem versões muito melhoradas na Net (BGG cof cof no BGG cof), e que até a sua expansão só existe como download, mais vale não deitares dinheiro à rua e fazeres a tua própria versão por menos de 5 euros, a partir de todos os ficheiros que existem aí pela Net (BGG cof cof no BGG cof).

Avaliação de jogos v5

O In the Year of the Dragon, ou em português, o Ano do Dragão, é um jogo para 2 a 5 jogadores, com uma duração média de 75 minutos. Cada jogador assume o papel de um príncipe chinês, procurando maximizar a prosperidade e o prestígio da sua província na China antiga. Para ajudar nesses empreendimentos, os príncipes irão utilizar o talento dos seus artesãos, corretores, monges e guerreiros. Estes súbditos leais irão emprestar a sua experiência para ajudar a proteger os seus governantes dos constantes eventos que afetam a população. Seja a seca, a peste ou a invasão mongol, apenas com uma boa previsão e um bom planeamento será possível poupar os príncipes e os seus súbditos desses destinos.
Continuar a ler

Goa

E parece que, depois de sucessivos adiamentos, desta vez o jogo Goa vai finalmente voltar a ser reeditado. A editora Z-Man Games colocou nas suas releases a reedição do jogo para Abril. Podem ver mais informação aqui.

SOPA (continuação)

Depois do artigo aqui publicado sobre a SOPA, eis que o nosso BGG se involve nos protestos a esta lei que, a ser aprovada, poderá mudar e muito a internet. Poderão ver mais informação sobre este lei disponibilizada pelo BGG aqui.

Remember

%d bloggers like this: