Tag Archive: MoV


Update MoV da Stronghold Games

A Stronghold Games veio dizer na passada sexta-feira que a questão do Merchant of Venus está longe de estar fechada e que não guarda ressentimentos sobre a situação à Fantasy Flight Games. Para já indicaram que não têm nenhuma data para darem o assunto por encerrado.

Merchant of Venus já tem data

A Fantasy Flight Games já anunciou a data expectável do seu reprint do Merchant of Venus para Fevereiro de 2012 e um preço provável de 60 USD, bem como a lista de raças que o jogo conterá: Human, Whynom, Qossuth e Eeepeeep.

A disputa do MoV vira jogo

Os últimos desenvolvimentos desta novela entre a FFG e a Stronghold Games, passam pela Hasbro a declarar ter feito um registo para o nome Merchant of Venus no U.S. Patent and Trademark Office. Com a ricularia a que a situação está quase a chegar, eis que chega o jogo The Venusian Kerfuffle, um Print-and-Play à borla da Asmadi Games que podes descarregar daqui, em que os jogadores lutam pelo direito de adicionarem o Merchant of Venus ao seu catálogo, sempre com o risco dos advogados serem quem mais vai ganhar com a disputa.

O MoV da Stronghold Games

A versão do Merchant of Venus que a Stronghold Games pretende produzir para o segundo trimestre de 2012, conforme o acordo que fez o autor Richard Hamblen, esta vai ser uma edição nova com algumas novidades, que, com a ajuda de um autor que vai ser trazido para o projecto, vai ter as regras ‘limpas’ e actualizadas para o século XXI. Ainda não está decidido o tipo de componentes que esta versão é suposto ter, mas provavelmente poderá vir a ter pequenas naves espaciais. Tal como o MoV da FFG, este também estará limitado a 4 jogadores (o original permitia de base 6 jogadores). O nome de código desta versão é de à um ano a esta parte: Traders in the Mediterranean.

Qual o resultado que surgirá da actual disputa com a FFG só o futuro nos dirá.

Christian T. Petersen fala sobre o MoV

Numa carta pública aos fans do Merchant of Venus, o CEO e também autor residente, Christian T. Petersen, da Fantasy Flight Games veio a público indicar que está em conversações com a Stronghold Games e a Hasbro (dona da Wizards of the Coast) para esclarecer a situação dos direitos sobre o MoV. Destas conversações sairá a decisão de avançar já com a projectada nova edição ou, batendo na madeira, um processo legal sobre direitos de autor que impedirá esta nova edição de ver a luz do dia para breve.
Reconhecendo-se a qualidade inerente aos jogos pubicados pela FFG ao longo dos anos, espero que seja esta a rapidamente ficar com os direitos para a re-edição. Já se sabem mais pormenores desta versão que conterá para além das regras do jogo original, variantes, como sejam cartas de missão que os jogadres tentarão completar durante o jogo; mercados flutuantes; um mecanismo para aumentar a fama do jogador durante o jogo. Estas serãoalgumas das variantes já divulgadas pela FFG. Allie-se a isto uma previsivel produção de cinco estrelas e é o que basta para ficar a salivar.

O espectacular jogo Merchant of Venus do Richard Hamblen, publicado pela primeira vez pela The Avalon Hill Game Company, em 1988, vai ver a luz do dia numa nova edição pela mão da Fantasy Flight Games em colaboração ou não com a Stronghold Games, que também fez o mesmo anúncio! De acordo com a FFG esta nova edição, baseada num acordo de licenciamento que fez com a Wizards of the Coast, poderá ver a luz do dia já no 2ºtrimestre de 2012.
Só espero que esta confusão de quem edita o que não vá provocar empecilhos a ver-se uma nova edição do Merchant of Venus.

Especiarias no Espaço III – Refazendo

Já com 22 anos em cima, o Merchant of Venus (Avalon Hill, 1988, Richard Hamblen) mostra a sua idade, não nas suas mecânicas e jogabilildade, mas sim no seu aspecto gráfico. Feito numa altura em que a cor nos jogos era um bem raro, nota-se ainda na arte gráfica produzida pelos desenhadores George Parrish, Jr., Charles Kibler e Regina De Simone, com um estilo de ficção cientifica retro aos comics e filmes da década de 50. Os marcadores de jogo são adaptações directas dos counters utilizados em wargames, e o mapa de um deslavado e feio azul. Tudo isto faz com que novos jogadores se recusem a jogá-lo, mesmo quando se lhes surge a oportunidade.

Continuar a ler

No coração do Merchant of Venus (Avalon Hill, 1988, Richard Hamblen) encontra-se o dinheiro, as rotas de comércio e os investimentos. Sendo uma corrida ao dinheiro, é definido no inicio do jogo um montante arbitrário a atingir, e o primeiro jogador que o alcançar ganha o jogo imediatamente. A rede de rotas corresponde às localizações onde as várias mercadorias com diferentes valores de compra e de venda podem ser adquiridas ou vendidas. O aspecto real da rede de rotas é totalmente desconhecido de todos os jogadores no inicio do jogo, e os lucros possíveis em cada localização, vão flutuar ao longo do jogo. Os investimentos são propriedades que os jogadores podem comprar para aumentar os seus lucros de várias formas. Caso os jogadores utilizem as regras opcionais de combate, também podem comprar armas (e não só) que lhes vão permitir roubar e destruir os investimentos dos adversários, ou proteger os seus investimentos.

Continuar a ler

Porquê um jogo de comércio de ficção científica? Segundo Richard  Hamblen, o autor do Merchant of Venus, editado pela mítica Avalon Hill em 1988, a ideia original começou por ser a de um jogo rápido, que fosse dominado pelas decisões do jogador e não pela sorte. Originalmente o período histórico que se pretendia retratar foi alterado à medida que o desenho evoluiu, com o desenho a alterar o tema, e de um tema baseado no comércio pelas grandes potências europeias do século XVI, no Oceano Índico e arredores, este passou para o comércio intergaláctico, ficando simplesmente a tarefa de inventar um mapa que se auto-reinventasse em cada jogo, uns marcadores e regras que juntassem tudo.

Continuar a ler

%d bloggers like this: